terça-feira, 5 de maio de 2015

Lulinha: de limpador de estrume de elefante a dono de apê de R$ 6 milhões

Por Carlos Parrini ... 


Ah, eu queria ter um filho assim: um fenômeno. 
Parafraseando Bolsonaro: Um "...limpador de estrume de elefante no Zoológico de São Paulo...", que fez sucesso, só que com o dinheiro dos outros.

Não dá para dizer que era um garoto prodígio já que não houve mérito algum nessa ascensão meteórica sem inventar algo ou ganhar na MegaSena. É o Filhinho do meu Pai Pai, aquele que se orgulhava em dizer que o tal garoto da sorte grande, era um fenômeno das finanças. Ainda mais depois de ter convencido a maior operadora de telefonia do Brasil, a OI, em investir mais de 15 milhões em sua empresa de fundo de quintal.
Todos acham que não passou de mera coincidência sair da pobreza para a riqueza, ao mesmo tempo em que o Pai se tornara Presidente do Brasil. Acho mesmo coincidência o povo hoje ter ficado com os estrumes dos elefantes, enquanto que tal pai e o tal filho, ficam dando uma de marajás fenomenais em cima dos elefantes brancos.

Resultado de imagem para charge lulinha


Lulinha: do zoológico para apê de 6 milhões de reais

Lulinha“Lulinha mora em um prédio de luxo, localizado numa das áreas mais nobres de São Paulo, cujos apartamentos são avaliados em 6 milhões de reais.”
É o que disse, de passagem, a matéria-bomba da VEJA (não confundir com a edição antiga da capa ao lado) sobre as relações promíscuas de Lula.
O apartamento, assim como a casa de campo do pai, está no nome de Jonas Suassuna, sócio de Lulinha.
No post “A elite vermelha: depois do Lulinha, o sobrinho do Lula“, resumi a história de cada ‘Lula’.
Reproduzo a do filho do ex-presidente para lembrar como ele saiu do zoológico para o apê de 6 milhões:
Fábio Luís Lula da Silva era, nas palavras de Jair Bolsonaro, “limpador de estrume de elefante no Zoológico de São Paulo”. Até os 28 anos, ganhava R$ 600. Mas a maré mudou.
Menos de um ano após a posse do pai em 2002, Lulinha virou sócio de uma produtora especializada em jogos, a Gamecorp, que, com capital de apenas 100.000 reais, conseguiu vender parte de suas ações à Telemar, a então maior empresa de telefonia do país, por 5,2 milhões de reais. Em 2006, a Telemar injetou outros R$ 10 milhões na Gamecorp como antecipação de compra de comerciais na Play TV, antigo Canal 21, arrendado por 10 anos à empresa de Lulinha pela Rede Bandeirantes para seis horas de programação diária.
Como a Telemar tinha capital público e era uma concessionária de serviço público, a sociedade com o filho do presidente sempre causou estranheza. O objetivo mais óbvio seria comprar o acesso que ele tinha a altas figuras da República. Sim: Lulinha foi acionado para defender interesses maiores da Telemar junto ao governo do pai. Em especial, em setores em que se estudava uma mudança na Lei Geral das Telecomunicações, que impedia a compra da Brasil Telecom. No fim de 2008, veio a “coincidência”: a lei foi alterada por decreto de Lula, e a Telemar formou com a Brasil Telecom um império de telecomunicações.
Lulinha está rico.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Se não Compartilhar, poucos saberão!!!




Curta, comente e compartilhe no FaceBook e apareça aqui:

Ratings and Recommendations by outbrain