quarta-feira, 11 de março de 2015

BOMBA! Ex-Advogado do #PT, Ministro Dias Tofolli, Presidirá e Julgará Petrolão

Por Carlos Parrini ... 

Epa! Tem algo de estranho no reino da Dinamarca. 
Esse Juiz que já defendeu o bandido José Dirceu e que foi advogado do PT, quer julgar o Petrolão. Todos estão lembrados que ele e Levandowsky foram contra Joaquim Barbosa, na condenação dos Mensaleiros. Vimos que de fato estavam errados e agora querem fazer a mesma coisa no Petrolão, já que Joaquim Barbosa se afastou. 
Está tudo mais fácil, embora o Petrolão seja mil vezes pior que o Mensalão, já que envolve diretamente Lula e Dilma que sabiam de tudo o que acontecia na Petrobrás e ainda foram beneficiados pela corrupção.
Se eles não tivessem muitos motivos para indicar gente de sua laia nesses julgamentos contra eles próprios, eu, particularmente, até acharia estranho, Mas como envolve gente de alta periculosidade, que são sequestradores, terroristas e assaltantes de bancos anistiados, estranho mesmo é eu continuar nesse país e já não ter embarcado para a Dinamarca.
Só Deus na causa. O resto? Tá dominado... 



Vejam o babado:

Dilma muda agenda para receber Toffoli, sinal de que uma reprise do Mensalão pode estar a caminho

dias_toffoli_12Muito estranho – Tem algo muito mais estranho nos bastidores do poder do que imaginam os brasileiros. Enviada ao Supremo Tribunal Federal, a lista do procurador-geral da República, Rodrigo Janot Monteiro de Barros, com nomes de políticos supostamente envolvidos no Petrolão, o maior escândalo de corrupção de todos os tempos, é no mínimo suspeita. Há nomes de políticos sem qualquer envolvimento com o imbróglio, assim como faltam os de culpados que escaparam da mira.
Se por um lado Janot enxerga possibilidade de culpa por parte de alguns políticos, por outro o procurador-geral deixa de fora da lista figuras ilustres do poder central, como Luiz Inácio da Silva, José Dirceu e Ideli Salvatti, por exemplo, todos citados pelo doleiro Alberto Youssef e por Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, nos depoimentos de delação premiada.
Esse tipo de análise, marcada por dois pesos e duas medidas, encontra resposta no encontro secreto ocorrido entre Janot e o ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardozo, em Buenos Aires. O procurador de chofre negou o encontro, que acabou confirmado por Cardozo. Ou seja, essa reunião misteriosa embalada pelos ares portenhos serviu para algo, que ainda merece explicação.
Em entrevista concedida na terça-feira (10), Rodrigo Janot afirmou que seu gabinete sempre esteve de portas abertas para receber “quem quer que seja”, pessoas dispostas a questões institucionais e profissionais. O procurador garantiu que esses encontros no gabinete jamais interferiram em suas decisões. A Janot, assim como a qualquer brasileiro, é devido o direito constitucional de livre manifestação do pensamento, mas não se pode dar crédito pleno a uma declaração dessa, considerando o cenário atual.
As suspeitas de que uma enorme e mal cheirosa pizza está a caminho ficaram ainda maior com a decisão da presidente Dilma Rousseff, que desde o início sabia do esquema de corrupção que funcionava na Petrobras, de alterar a agenda desta quarta-feira (11) para receber, em palácio, o ministro José Antônio Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal. Com conhecimento jurídico insuficiente inclusive para ser um rábula de lupanar, Toffoli teve seu pedido de migração para a 2ª Turma do STF aceito pelo presidente da Corte, ministro Ricardo Lewandowski.
A 2ª Turma do STF está incumbida de julgar todos os processos decorrentes da Operação Lava-Jato, mas até a terça-feira contava com apenas quatro integrantes, por causa da demora da presidente da República para indicar alguém que ocupe a vaga deixada por Joaquim Barbosa. Com a migração, Toffoli será o presidente da 2ª Turma e, ato contínuo, comandará os trabalhos referentes ao Petrolão.
Ao longo do julgamento da Ação Penal 470 (Mensalão do PT), Toffoli, que deveria ter se declarado impedido, mostrou a que veio e no plenário da Corte atuou como advogado de defesa de mensaleiros petistas, não como ministro da mais alta instância do Judiciário nacional.
É importante que os brasileiros de bem fiquem atentos aos próximos capítulos da Operação Lava-Jato no STF, pois pedidos de investigação sem embasamento convincente podem colocar a perder anos de investigação da Polícia Federal.
É sempre bom lembrar que as primeiras denúncias sobre o esquema de corrupção que culminou na Lava-Jato foram feitos, em 2009, pelo editor do UCHO.INFO, jornalista Ucho Haddad, e pelo empresário Hermes Magnus. Ambos, Haddad e Magnus, atualmente pagam um preço muito caro pela decisão de querer o melhor para o Brasil.
FONTE: UCHO => http://ucho.info/?p=90429


Veja mais:

O verdadeiro pizzaiolo: Dias Toffoli pede transferência para julgar petrolão na vaga de Joaquim Barbosa

corrupcao_lula_toffoli
Dias Toffoli e seu padrinho Lula
Para suprir a vaga deixada por Joaquim Barbosa, o ministro Dias Toffoli requereu a transferência da Primeira para a Segunda Turma do Surpremo Tribunal Federal, encarregada de julgar as ações penais do petrolão, como expliquei aqui.
Isto significa que os petistas que comandaram o maior esquema de corrupção da história brasileira serão julgados por um ex-advogado do PT.
Foi de Gilmar Mendes a sugestão de que um dos integrantes da Primeira Turma migrasse para a Segunda para evitar que os inquéritos da Operação Lava Jato começassem a ser analisados com o quórum reduzido, o que aumentaria as chances de empate.
Não sei se Mendes mordeu a isca da demora da presidente Dilma Rousseff em indicar um nome, mas o fato é que o PT agiu depressa para aproveitar a oportunidade.


Ex-Advogado do PT Ministro Dias Tofolli Presidirá e Julgará Petrolão, STF, charge dias tofolli, julgamento petrolão, corrupção, PT, operaçao lava-jato

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Se não Compartilhar, poucos saberão!!!




Curta, comente e compartilhe no FaceBook e apareça aqui:

Ratings and Recommendations by outbrain