quarta-feira, 12 de março de 2014

Incrível! Roberto Carlos voltou a comer carne da Friboi que usa ração envenenada.

Por Carlos Parrini ... 

Será que foi por Fortes Emoções que os churrascos suculentos provocam ou por dinheiro que Roberto Carlos voltou a comer carne depois da abstinência por 30 anos? Dizem que ele não sai de casa se não for pago. Nem as enchentes em Cachoeiro do Itapemirim, sua terra natal, fizeram-no sair de graça de casa. Nem por questões humanitárias. Agora deixar de ser vegetariano para ganhar uns míseros milhõesinhos da FRIBOI pra quem já é milionário, é muita mendigaria. E pra piorar as coisas, o cara faz propaganda de uma empresa envolvida em escândalos (Dizem até que é de Lulinha) e até mesmo acusada de usar anabolizantes venenosos nas rações do gado para que engordem sem gordura. 
Que bom que ele também voltou a comer esse tipo de carne. Tenho certeza que eu e muitos fãs sentiremos fortes emoções em seu enterro. 
Pena que toda sua grana não o acompanhará. Isso e tudo mais, vai pro inferno, ou uou!


Vejam os babados:

O VENENO NOSSO DE CADA DIA É RECUSADO PELA RUSSIA

A Rússia recusou temporariamente as carnes bovina e suína brasileiras. O motivo é a presença de um anabolizante denominado Ractopamina. Esse aditivo hormonal é colocado na ração dos animais e acelera o crescimento, fazendo aumentar a massa muscular e redução da gordura. A Ractopamina está proibida em mais de 159 países, pois é altamente prejudicial à saúde humana. Como outros agonistas β-adrenérgicos, a Ractopamina quando utilizada a longo prazo é capaz de causar tremor muscular, taquicardia, vasodilatação, distúrbios metabólicos, entre outros sintomas em seres humanos. Diversos estudos sobre a possível toxicidade da Ractopamina vêm sendo realizados em animais como macacos, ratos e cães. Apesar disso, os cientistas conseguiram chegar a poucas conclusões sobre seu efeito em parâmetros como genotoxicidade, teratogenicidade, mutagenicidade e implicações cardiovasculares e musculares. O produto é apresentado comercialmente como Ractosuin®, Transuin® e RacTop®.  O Codex Alimentarius, a FAU e o FDC (instrumentos da agenda eugenista illuminati), permitem, é claro, o uso da Ractopamina.
Ao contrário do Brasil, onde as autoridades sanitárias não dão a mínima para a saúde de seu povo, na Rússia a Rosselkhoznadzor (Serviço de Defesa Agropecuária) suspendeu a importação dessas carnes brasileiras. Entre os frigoríficos vetados, que usam a Ractopamina em seus animais de abate estão a FRIBOI, PAMPLONA, MINERVA, JBS, BFR e MARFRIG.

SUICÍDIO AGROPECUÁRIO
O impressionante desse história toda é que, assim como vem acontecendo com os produtos transgênicos, o produtor engole a isca lançada pelas multinacionais produtoras desses venenos agropecuários com os olhos crescidos para lucros rápidos. No entanto, o que acontece é que eles acabam dando um tiro no próprio pé. As inescrupulosas multinacionais prometem  polpudos  e rápidos lucros, mas no fim, só geram enormes prejuízos, restringem  e eliminam mercados e culminam por trazer a falência e a miséria completa aos produtores. Em contrapartida, os cofres da Monsanto, da Basf,  da Syngenta, Bayer, Dow e Dupont, estão vazando pelo ladrão. Quanto a nós, os consumidores, por nossa vez, estamos vendo a nossa saúde decair e escorrer impotente para as valas do descaso, em doenças degenerativas de toda a sorte (ou azar), mas sempre para a alegria  dos laboratórios farmacêuticos e o que pior, da elite globalista.


É injusto dizer que Roberto Carlos se vendeu para a Friboi porque ele sempre esteve à venda.

Quer pagar quanto?
Roberto Carlos é o novo garoto-propaganda da Friboi. Depois de mais de 30 anos se dizendo vegetariano, 
ele mudou de ideia. Para não parecer que foi movido pelo cachê, a história oficial é que já havia alterado 
seus hábitos alimentares antes disso.

Em sua página oficial no Facebook, os administradores tiveram de lidar com a reação negativa de parte 
de seus fãs. Houve quem o xingasse de traidor e mentiroso. Uma lista de regras de conduta teve de ser 
postada.

No início do mês, Bob Dylan também foi criticado por fazer a narração de um anúncio de carro no Superbowl. 
Aquela propaganda não foi a primeira de Dylan (ele chegou a vender ligeries da Victoria’s Secret) e não será 
a última. Ainda assim, Dylan está tendo de explicar até agora o que fez com seu passado na contracultura.

O caso de Roberto é diferente. Ele sempre foi vendido. Não há nada que o faça sair de casa que não seja 
faturar. Isso inclui passar a comer picanha ou participar de uma farsa como a entrevista em que afirmou 
que estaria disposto a rever sua postura com relação a biografias não autorizadas.

Ninguém tem o direito de se surpreender com as causas que RC defende em troca de grana. Ele falava 
das baleias quando o mundo falava das baleias. Fez uma canção sobre isso porque renderia alguns 
trocados, como rendeu. Roberto é tão preocupado com a ecologia quanto, digamos, Paulo Maluf. 
Não gosta nem de chuva: não moveu uma palha quando seus conterrâneos foram desabrigados 
por causa de alagamentos no Espírito Santo.

Existe ainda pureza na arte? Há dois anos, a cantora Adele disse que não queria seu nome “perto de 
qualquer marca. Não desejo ser maculada ou assombrada e não pretendo me vender. Acho isso vergonhoso”.

Nos anos 90, o comediante Bill Hicks se referiu de maneira pouco gentil a artistas que licenciavam suas músicas. 
“Vocês viraram prostitutas do bangue bangue capitalista… Tudo o que vocês disserem será suspeito e cada 
palavra que sair da sua boca será como bosta caindo no meu drinque”.

Esses dias acabaram. Corporações patrocinam grandes festivais e turnês. Com o desaparecimento do CD e a 
ascensão da pirataria, isso virou uma saída para gravadoras e músicos. Lá fora, além de Dylan, ícones como 
Iggy Pop, Led Zeppelin (Cadillac) e mais uma dezena de nomes viraram carne de vaca para os anunciantes. 
Basta pagar.

É raro alguém se recusar a entrar nessa liquidação. A banda Super Furry Animals abriu mão de mais de 
US$ 1 milhão da Coca-Cola por causa da forma como a empresa tratou trabalhadores sul-americanos num 
episódio mal-explicado. Win Butler, do Arcade Fire, nunca dá autorização para comerciais: “Eu não 
quero que as pessoas pensem num Toyota quando ouvem [a faixa] ‘Keep The Car Running’. É triste 
quando você escuta uma música e ela faz você pensar num produto. Mas nós tivemos sorte. Podemos 
tomar essas decisões baseados em razões artísticas e não financeiras. Você tem de fazer o que você tem de 
fazer”.

Faz diferença um artista entregar sua imagem e sua obra para uma empresa de carnes, de cerveja ou de 
títulos de capitalização? Sim, mas depende da história dele. Em se tratando de Roberto Carlos, é 
absolutamente coerente com alguém cuja missão tem sido se vender desde os anos 60. Ele está, agora, 
esperando a proposta de algum laboratório para dizer que se curou do TOC. Até lá, continuará doente.

Kiko Nogueira
No DCM http://www.contextolivre.com.br/2014/02/e-injusto-dizer-que-roberto-carlos-se.html


Roberto Carlos voltou a comer carne da Friboi que usa ração que dá cancer, charge roberto carlos, Friboi, Roberto Carlos faz propaganda da Friboi, Friboi usa veneno em ração

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Se não Compartilhar, poucos saberão!!!




Curta, comente e compartilhe no FaceBook e apareça aqui:

Ratings and Recommendations by outbrain