quinta-feira, 21 de junho de 2012

#Bomba! Delta transferiu R$ 29,9 Milhões do DNIT para Cachoeira:

Quando LULA deu uma de Aloprado querendo se vingar de Oposicionistas, não sabia que estava jogando bosta no ventilador. Por mais que Dilma tente limpar a sujeira superficialmente, a catinga está impregnada por vários cantos do Governo do PT.
Como se tem falado aqui, o caso Cachoeira é a Ponta de um Iceberg. Não é a toa que querem blindar a todo custo a DELTA, Fernado Cavendish, Luiz Pagot do DNIT, Sergio Cabral. O aprofundamento das investigações, poderá chegar a Dilma via PAC, Eduardo Paes via Obras Faraônicas da Copa e Olímpiadas e metade da torcida do Figueirense, que estão envolvidas com a maior corrupção jamais vista na história do Brasil.
Quanto mais pedaços de bosta limparem, mais vai aparecer pois temos um ICEBERG cheio delas.
Ainda bem que Lula fez algo de bom em prol da luta contra a corrupção, mesmo não sabendo do que estava fazendo.
Como a imprensa internacional tem dito, Lula é um imbecil útil. Eis a prova, rs.



Vejam a reportagem conforme divulgada pelo Site A Gazeta do POVO:


Waldemir Barreto/Ag. Senado
Waldemir Barreto/Ag. Senado / “Não se pede por pedir, não se exige simplesmente pelo gosto da exigência, mas porque é necessário ouvir, para adotar providências posteriores, o senhor Fernando Cavendish e o senhor Luiz Antonio Pagot, ex-diretor do Dnit.”

<b>Alvaro Dias (PSDB-PR), senador</b>“Não se pede por pedir, não se exige simplesmente pelo gosto da exigência, mas porque é necessário ouvir, para adotar providências posteriores, o senhor Fernando Cavendish e o senhor Luiz Antonio Pagot, ex-diretor do Dnit.” Alvaro Dias (PSDB-PR), senador
CRUZAMENTO DE DADOS

Delta transferiu R$ 29,9 mi do Dnit a empresa fantasma ligada a Cachoeira

Levantamento realizado pelo PSDB indica que o dinheiro do governo federal foi redistribuído a empresas e pessoas que têm relações com o bicheiro


Publicado em 20/06/2012 | AGÊNCIA O GLOBO
A Alberto e Pantoja, empresa considerada fantasma pela Polícia Federal, recebeu pelo menos R$ 29,9 milhões da construtora Delta entre maio de 2010 e abril de 2011. Esses recursos, segundo levantamento realizado pela liderança do PSDB no Senado, eram provenientes de pagamentos realizados pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e depois foram distribuídos pela Alberto e Pantoja para pessoas físicas e jurídicas envolvidas com o esquema do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.
A liderança do PSDB fez um cruzamento tomando como base os pagamentos recebidos pela Delta nacional entre janeiro de 2010 e dezembro de 2011. O dinheiro saía do Dnit e era depositado em duas contas correntes no Rio. No total, no período, a construtora recebeu R$ 985 milhões somente nessas duas contas identificadas pela equipe do senador Alvaro Dias (PSDB-PR). Desse total, R$ 29,9 milhões foram parar na conta da Alberto e Pantoja. Os saques, no mesmo período, somam igual valor.
Monte Carlo
CNJ investigará ameaça ao juiz do caso Cachoeira
Agência O Globo
O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) vai investigar denúncia de que o juiz federal Paulo Augusto Moreira Lima, que cuida do caso Cachoeira, teria sido ameaçado. O presidente do Supremo Tribunal Federal, Carlos Ayres Britto, também presidente do CNJ, disse que considera de “gravidade incomum” as supostas ameaças ao juiz. Moreira Lima, que conduzia o processo da Operação Monte Carlo, pediu o afastamento do caso por estar em “situação de extrema exposição junto à criminalidade do estado de Goiás”, segundo ofício escrito por ele mesmo ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região, em Brasília. “Não se pode ameaçar, do ponto de vista da integridade física, moral ou psicológica, nenhum julgador”, disse Ayres Britto.
Impedido
Após o pedido de afastamento de Moreira Lima, o TRF anunciou que o juiz Leão Aparecido Alves passaria a comandar o processo da Monte Carlo. Mas ontem ele se declarou impedido de atuar no caso, pois é amigo da família de José Olímpio de Queiroga Neto, um dos presos na operação.
Destinatários
Alguns destinatários dos pagamentos realizados pela empresa considerada fantasma são conhecidos da investigação. O contador de Carlinhos Cachoeira, Geovani Pereira da Silva, que está foragido, foi beneficiário de vários cheques que somam R$ 8,3 milhões. Wladmir Garcez, ex-vereador de Goiânia e apontado pela PF como braço político do esquema de Cachoeira, obteve depósitos de R$ 33 mil.
No levantamento, também aparece um cheque de R$ 45 mil, em abril de 2011, para Bruna Bordoni. Ela é filha do jornalista Luiz Carlos Bordoni, responsável pelos programas de rádio durante a campanha de Marconi Perillo (PSDB) ao governo de Goiás, em 2010. A confecções Excitant, que emitiu três cheques, entre março e maio de 2011, para pagamento da compra da casa de Marconi, também recebeu recursos da Alberto e Pantoja. Foram duas transferências interbancárias, que somaram R$ 650 mil. Uma delas é no valor de R$ 400 mil, em maio do ano passado, valor idêntico ao depositado por Marconi em sua conta.
Ontem, o líder do PSDB no Senado, Alvaro Dias, disse que o cruzamento de dados revela a importância de a CPMI do Cachoeira ouvir o ex-presidente da Delta Fernando Cavendish. O requerimento de convocação do empresário foi derrotado na semana passada.
“Apresento esse trabalho, senhores senadores, para comprovar que não se pede por pedir, não se exige simplesmente pelo gosto da exigência, mas porque é necessário ouvir, para adotar providências posteriores, o senhor Fernando Cavendish e o senhor Luiz Antonio Pagot, ex-diretor do Dnit”, disse Alvaro, durante discurso no Senado.


charge dnit mausoleu cicero 310711 humor politico Após demissões DNIT fica sem Diretoria





....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Se não Compartilhar, poucos saberão!!!




Curta, comente e compartilhe no FaceBook e apareça aqui:

Ratings and Recommendations by outbrain