terça-feira, 12 de julho de 2011

#Bomba! Empresa que financiou PR e Gleisi tem contratos milionários com DNIT

Enquanto vão roubando os cofres públicos a Presidenta continua dando uma de Santa exatamente como o seu CHEFE o Lulinácio fazia. Hoje ela disse em entrevista que sente muito pelo que tem acontecido em seu governo. Sente tanto que continua com o PR cuidando duma pasta onde a roubalheira corre solta. Fica triste mas não se arrepende. Participou do sequestro do Embaixador americano e não se arrependeu. Participou do assalto do cofre do Ademar de Barros e não se arrependeu. Fez parte do grupo que assassinou o Soldado Mario Koesel e não se arrependeu. Só faltou ve-la vertendo lágrimas de jacaré. Como pode haver tanta cara de pau? Todos roubando debaixo do nariz dela e continua mantendo e defendendo os mesmos. Foi assim com Erenice Guerra, Palocci e muitos outros meliantes. Como o povo ainda continua apoiando este governo que é considerado o mais corrupto da história do Brasil? Recordista em escandalos e corrupção, drogados em crack, mortos em estradas, mortos por falta de atendimentos em hospitais, tráfico de drogas, baixa qualidade na educação e alimento escolar.

Vejam mais esta divulgada no Blog do Josias:


A empreiteira Sanches Tripoloni, do Paraná, viveu anos de bonança nos dois reinados de Lula.
Seus contratos com o Dnit, o departamento que cuida de obras rodoviárias na pasta dos Transportes, cresceram 1.273%.
Em 2004, as obras confiadas à Sanches Tripoloni somavam R$ 20 milhões. Em 2010, em cifra atualizada, totalizavam R$ 267 milhões.
Os dados constam de notícia veiculada pela Folha. Coisa produzida pelos repórteres Breno Costa, Andreza Matais e Rubens Valente.
A prodigalidade dos contratos fez da Sanches Tripoloni uma generosa doadora de campanhas políticas. Ou vice-versa.
No ano passado, a empreiteira borrifou R$ 7,2 milhões nas arcas eleitorais de diferentes candidatos.
Deu prioridade aos políticos ligados ao consórcio governista. A estes, doou R$ 6,4 milhões, incluindo R$ 1 milhão para Dilma Rousseff. José Serra beliscou R$ 180 mil.
Os candidatos do PR, partido de Alfredo Nascimento, que chefiou os Transportes durante seis dos oito anos de Lula, levaram R$ 2,5 milhões.
Sozinho, o senador Blairo Maggi (PR-MT), padrinho de Luiz Antonio Pagot, o mandachuva do Dnit, foi aquinhoado com R$ 500 mil.
A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), chefe da Casa Civil e mulher do ministro Paulo Bernardo (ex-Planejamento, agora nas Comunicações), amealhou R$ 510 mil.
Na época em que azeitou a escrituração das campanhas, a Sanches Tripoloni estava proibida de contratar com o governo.
Havia sido declarada inidônea pelo TCU, em maio de 2009. Por quê? Prevalecera numa licitação do Dnit “de forma extremamente viciada”.
Ao tocar a obra, um anel rodoviário na cidade paranaense de Foz do Iguaçu, injetara nos borderôs um sobrepreço de R$ 9,9 milhões.
Passadas as eleições, graças a um recurso, a empreiteira obteve do TCU a reabilitação. Alegou-se que as provas eram “indiciárias”, não conclusivas.
Em março de 2011, a Sanches Tripoloni firmou com o Dnit um aditivo contratual.
Orçadas em R$ 149 milhões, as obras do anel viário de Maringá (PR), foram à casa dos R$ 178,6 milhões.
No mês anterior, a empreiteira vencera licitação para a segunda fase dessa mesma obra.
Decorridos cinco meses, o contrato ainda não foi assinado. Por quê? O TCU apontou sobrepreço de 10% no pedaço já reaizado da obra.
Nos porões do PR, a legenda que Dilma levou à grelha, acusa-se o casal Bernardo-Gleisi de atuar em benefício da Sancres Tripoloni. Eles negam.
Bernardo refuta a insinuação de que teria pressionado Luiz Antonio Pagot para liberar as verbas que propiciaram o início da obra de Maringá.
Alega que o empreendimento saiu do papel graças a uma emenda da bancada de congressistas do Paraná.
“Conseguimos uma emenda de bancada, a pedido da prefeitura de Maringá, que foi liberada", diz o ministro.
Gleisi, a mulher de Bernardo, disse que não pediu dinheiro à empreiteira: "Visitei Maringá na campanha e eles perguntaram se podiam ajudar…”
“…Respondi que sim e pedi à minha assessoria que os procurasse. Está tudo devidamente registrado no site da Justiça Eleitoral".
Pode-se acusar a Sanches Tripoloni de tudo, menos de falta de senso de oportunidade. Financiou uma senadora e elegeu uma poderosa ministra.
Escrito por Josias de Souza às 06h46


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Se não Compartilhar, poucos saberão!!!




Curta, comente e compartilhe no FaceBook e apareça aqui:

Ratings and Recommendations by outbrain